Como era a Praia dos Artistas em Natal na década de 70

A Praia dos Artistas, praia que divide popularidade com a famosa Praia do Meio em Natal, era um grande “point da moçada” em meados da década de 70 – e durante grande parte da década de 80.

Muito se especula porque esse trecho da praia recebeu o nome de “Praia dos Artistas”. Para uns deve-se ao fato desse recanto ter sido muito frequentado, no início da década de 70, por pessoas ligadas ao teatro, artes plásticas e música. Para outros, pela fama de hospedar grandes artistas quando visitavam Natal. O certo é que essa praia já marcou a vida de muita gente.

Na década de 70 haviam muitos barzinhos na orla, o calçadão era repleto de mesas, e na areia muita azaração. As barracas disputavam espaço entre si, a maior delas ficava logo abaixo do Salva Vidas, e era ponto de referência pra muitos encontros.

Durante o dia as “cocotas” desciam pra praia pra pegarem um bronze. Naquela época já havia muito bíquini pequeno e fio dental, e isso “incendiava” a cabeça dos marmanjos, que desciam para baterem uma pelada ou assistirem um jogo de vôlei. A noite era a hora da paquera, principalmente às sextas-feiras e sábados.

Existia também o tal do “Boy da Praia”, uma figurinha carimbada que andava perturbando as meninas – acompanhadas ou não – lhes pedindo cerveja e cigarros.

Na época, nessa mesma praia, o natalense já pegava as suas primeiras ondas no Surf na modalidade bodyboard, com suas pequenas pranchas de isopor, como já falamos aqui. Em 1974 os praticantes aprenderam a ficar de pé nas ondas usando pranchas maiores.

Na mesma época também aconteceu o Primeiro Campeonato de Surf do Rio Grande do Norte.

Os bares existentes eram: Katikero, Castanhola Bar, Chapéu de Couro, Reizinho Praia Chopp, Postinho, Bar do Bolívia (no pé da ladeira do sol), BANDERN Clube, Qualquer Coisa, Marulho e Casa Velha; esses quatro últimos nas praias vizinhas.

As bebidas? Muita caipirinha e cervejas das marcas Brahma e Antarctica. Para os mais “caretas”: Coca-cola e água de coco.

Para os mais farristas tinha a casa de shows “Casa da MPB” na praia ao lado (Praia do Meio), ou as boates mais badaladas da cidade, a O Chaplin (Praia dos Artistas) e a Apple (Ponta Negra).

Quem subisse mais a Av. Getúlio Vargas encontrava o Bar e Restaurante Liberté, mas era preciso ter bastante “bufunfa” (dinheiro) porque eram locais de gente “paluda” (rica).

Pra quem já tava cansado e faminto no fim da farra, o bacana era tomar um Caldo à Cavala lá na bar “A Tenda”, ao lado do famoso Hotel Reais Magos.

O fim da década de 80 foi também o fim da época áurea da praia. A maioria dos frequentadores, já na maturidade, foram se distanciando do lugar, cedendo espaço para a chegada da prostituição e o uso de drogas, principalmente com o crescimento do turismo internacional. Além disso, a falta de segurança afastava ainda mais as pessoas.

E você? Queria ter vivido ou viveu essa época? Comente aí embaixo como foi!

Fonte: poeta e escritor João Brito em Jabá com Jerimum (Blog de um Natalense), Rostand Medeiros @ TOK de História, Arilza Soares @ Vento Nordeste

🔥1.0 K Visualizações

Henrique Araujo

O criador do Curiozzzo é formado em Sistemas de Informação, já foi dono de startups, administrador de grupos, empresário, mas sempre foi um amante da internet, primeiro como desenvolvedor e depois como produtor de conteúdo, desde a chegada dela no Brasil. Em 2014 criou o blog e encontrou na história e na cultura de onde mora uma nova paixão. Hoje ele leva o Rio Grande do Norte para o mundo de forma respeitosa, criativa, curiosa e única. Siga-o: instagram.com/henrique.e.araujo

12 Comentários

  • Maria das Graças de Menezes Venâncio

    (26 de junho de 2018 - 17:53)

    A descrição é muito bem feita. Frequentei a praia dos artistas algumas vezes e gostei de quem escreveu rememorando os bares, restaurantes e discotecas. As fotografias falam por si só. Realmente, depois dos anos 80 a orla urbana de Natal cedeu lugar as drogas e a prostituição.

  • Faltou o surgimento com grande sucesso do FresCobol. Que invadiu toda a orla. E o famoso biquíni asa de delta. Antes do fio dental.

  • Asa delta.

  • Vivi essa época, foi uma época espetacular, tempo q jamais voltará, mesmo com a evolução em tudo hoje e com o crescimento da cidade, nem de longe se compara, com essa época. Simplesmente maravilhosa. Parabéns a página, por estar resgatando essas memórias.

  • Muito obrigado por estas lembranças!!! por favor seria possivel colocar uma foto da “Casa da MPB” casa da musica.muito obrigado

  • Epoca muito marcante na minha vida.era estudante do atheneu.e smpre estava na praia jogando aquela pelada com os amigos. olhando as cocotinhas.que se bronzear.na areia com o sol muito forte.saudades.

  • […] Sem sofrer nenhum tipo de intervenção do homem, o que a torna ainda mais linda, a Praia do Meio ganhou esse nome justamente por ficar entra a Praia do Perigoso e a Praia Funda. Já a Praia do Meio de Natal fica entre as praias do Forte e dos Artistas, e é muito frequentada desde os anos 70. […]

  • Henrique vivi en Natal durante 1975 a 1979 fue maravilloso vivir esa durante esos años

  • Muito boa toda a descrição daquele época, vale acrescentar que nos domingos tinha o famoso quem-me-quer na orla, que começava na praia dos artistas até a praia do Forte, aonde a galera caminhava na calçada e passeava de carro, todos paquerando, até o por-do-sol, na época não havia iluminação pública. Normalmente começava às 16:00h

  • entre os anos 78 a 89 quase todos os domingos estava na praia do meio, era um tempo muito bom, aqueles domingo eram muito divertimento com os amigos.

Deixe uma resposta para Existe uma Praia do Meio no Rio de Janeiro também e ela é bem diferente da de Natal – Curiozzzo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *