Quantos tipos de dança nascidos no Rio Grande do Norte você conhece?

Pois eu trago aqui pra você a Araruna, uma dança típica genuinamente potiguar, inspirada nas danças de salão da classe média européia.

A origem

O nome Araruna vem de uma arara na cor preta que vive em bando pelas florestas da América do Sul, e se alimenta principalmente de sementes e grãos, como o arroz. A dança imita alguns movimentos do pássaro.

Nas palavras do historiador e folclorista potiguar Luís da Câmara Cascudo, no Brasil a Araruna é um “pássaro preto” comum no estado do Amazonas, e ele classifica a dança como única, exceção às outras danças folclóricas.

Ilustração com o Mestre Cornélio

A Araruna surgiu com o grupo “São João na Roça”, do bairro das Rocas, fundado em 1949 pelo Mestre Cornélio Campina (diretor artístico do grupo) e alguns amigos, que pretendiam formar um grupo que se apresentasse durante todo o ano.

Segundo a “Wikidança”, conta-se que Mestre Cornélio usava o quintal de sua casa para os ensaios, que ele mesmo organizava. Quando o prefeito, Djalma Maranhão doou o local da atual sede, situada à Rua Miramar. Foi o próprio Djalma que sugeriu a formação de uma sociedade. Cascudo (1954) nomeou, então, a sociedade de Araruna, pois esta era o primeiro número da dança que se tinha notícia.

A dança

Os passos da dança são misturados com valsa, xote, mazurca e polca, tem um estilo de caráter folclórico.

Os cavalheiros usam casaca e cartola, e as damas, longos vestidos de saia rodada. Apresentam-se normalmente com oito a dez pares de dançarinos que executam diversos números [alguns de origem folclórica], que são: “Caranguejo”, “Bode”, “Besouro” “Araruna” “Camaleão”, “Jararaca”, “Maria Rita”, “Xote Sete Rodas”, “Miudinho”, “Mazurca”, “Maria Rendeira!, Bode, são alguns dos números.

Antes de começar os pares formam dois círculos concêntricos. Os cavalheiros no de fora e damas no de dentro. Quando a música começa os pares desenvolvem passos laterais para a direita e para a esquerda. No refrão da música dão meia volta em torno de si mesmos, batem os ombros de viés, terminando com uma forte batida do pé.

A letra faz referência a um passo de mesmo nome, oriundo do Pará, e acompanhamento musical é executado normalmente com sanfonas e pandeiros.

Quer entender melhor? Este vídeo de uma apresentação do “Grupo Araruna” no SESC de Natal te explica direitinho cada etapa da dança:

Gostou? Ajude a manter a cultura potiguar e compartilhe esse post com seus amigos!

Fonte: Deífilo Gurgel – Danças Folclóricas do RN -Cadernos de Educação 2 – Secretaria do Estado da, Educação Cultura e dos Desportos – Natal/RN, Publicações do Diário de Natal sobre a Sociedade Araruna e seu fundador mestre Cornélio e Wikidança. Imagens: Google, Site da Sociedade Araruna na Web e Diário de Natal.

Anúncios

Escrito por Henrique Araujo

O criador do Curiozzzo é Bacharel em Sistemas de Informação, viciado em internet desde muito cedo, e encontrou na criação de conteúdo uma nova paixão. Criou o blog em 2014 para levar o Rio Grande do Norte (onde vive desde criança) para o mundo de uma forma criativa e diferenciada. Siga-o: instagram.com/henrique.e.araujo

Diga o que achou:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s